sexta-feira, 28 de abril de 2017

Reforma trabalhista: sindicatos e políticos podiam fazer greve de contar mentiras

Recebo muita mensagem com conteúdo mentiroso pelo WhatsApp, mas uma que recebi estes dias convocando para a greve de hoje prima pelo descaramento! Como se trata de um "textão", não vou comentar todos os 13 itens em que está dividido, mas apenas chamar atenção para algumas mentiras muito flagrantes.

No item 3 é dito que "a CLT prevê jornada de trabalho de no máximo 8 horas por dia. Agora, ao invés de pagar horas extras para o trabalhador que ficar mais tempo trabalhando, o empregador vai contratar uma jornada de trabalho maior". Ora, isso é completamente falso, pois a reforma estabelece apenas que a jornada pode ser de até 12 horas desde que não ultrapasse as 48 horas semanais, incluindo horas extras, e as 220 mensais. E, quando chegar a 12 horas, haverá uma contrapartida de 36 horas de descanso. Finalmente, a reforma eleva de 20% para 50% o adicional a ser pago por hora extra trabalhada.

O item 4 diz que, pelo texto-base aprovado na Câmara, os trabalhadores vão ter só meia hora de almoço. Mentira! A reforma apenas tornou possível que o trabalhador tire meia hora a menos para almoçar e compense isso saindo meia hora mais cedo no final do dia.

No item 7 está dito que, agora, os patrões vão poder parcelar o tempo de férias dos empregados como quiserem. Mentira! O projeto estabelece que o parcelamento tem de ser negociado coletivamente com os trabalhadores e, mesmo assim, dentro de certos parâmetros, quais sejam: parcelamento em no máximo três períodos, sendo que um deles tem de ser de 14 dias e o tempo mínimo de outro tem de ficar em 5 dias.

O item 8 afirma que a empresa que contratar um serviço terceirizado não vai ter responsabilidade nenhuma por indenizações em caso de demissão e outros direitos não cumpridos pela empresa contratada. Totalmente falso! O projeto estabelece que, caso a empresa contratada vá a falência ou descumpra direitos por qualquer motivo que seja, a empresa contratante fica obrigada a arcar com tudo!

Já o item 9 diz que os trabalhadores poderão ser demitidos e contratados por empregados terceirizados "sem direitos". Tenham dó! A reforma estende os direitos trabalhistas aos terceirizados, isso sim.

O nível de descaramento das mentiras é tão grande que justifica a avaliação de que o principal motivo da "greve geral" é impedir a extinção do imposto sindical, isso sim, já que este é uma gigantesca fonte de dinheiro fácil para os sindicatos (R$ 3,9 bilhões ao ano), e tanto que a maioria destes nem existiria se não houvesse tal imposto.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Temer: impopularidade merecida, ainda que pelos motivos errados

Reinaldo Azevedo escreveu um texto sobre as pesquisas que mostram a péssima avaliação que os eleitores fazem da gestão Michel Temer. Concordo com algumas coisas, mas discordo de outras. Concordo que o governo Temer é muito melhor do que o de Dilma e que ele já fez mudanças importantes e positivas cujos frutos vamos colher adiante, como a lei do teto de gastos, a reforma do ensino médio e a lei das terceirizações. Mas é falso dizer que Temer não tem nenhuma responsabilidade na crise econômica atual e que representa uma força modernizadora.

Ora, se José Alencar, mesmo sendo vice de Lula, vivia a reclamar dos juros altos, bem que Michel Temer poderia ter usado seu cargo de vice para reclamar da gastança de Dilma. Nunca fez isso. E quem cala consente! Tanto que ele até ajudou Dilma a se reeleger, confirmando assim sua aposta na presidente cujas cretinices nos levaram para o buraco.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Agora vou debater também no Facebook. Paciência...

Há muito tempo as pessoas que conheço e/ou que acompanham meu blog me sugeriam entrar no Facebook. Mas sempre resisti a essa ideia porque o Facebook gera um fluxo de informação constante, de modo que as pessoas tendem a perder muito tempo com isso. Resolvi entrar agora porque ando sofrendo ataques nas redes sociais, e o blog não é adequado para ficar respondendo toda hora a sei lá quantos comentários que me citam negativamente.

Mais especificamente, estou me referindo aos comentários que a professora Mônica Ribeiro da Silva, da UFPR, vem fazendo sobre mim nessa rede. A história é simples e curta: participei de um debate com essa professora recentemente e, depois, apresentei minhas críticas às ideias dela aqui no blog (Cf.: Professora da UFPR defende ensino doutrinador, mas diz que doutrinação não existe).

Bom, se os comentários dela ao meu post fossem argumentativos, eu responderia publicando outro post no blog mesmo, e ponto final na história. O problema é que, em vez de apresentar uma argumentação, ela afirma que eu é que não tenho argumentos e me acusa de estar fazendo uma "campanha" (sic) de desqualificação pessoal e profissional contra ela! E ainda mente dizendo que eu faço perseguição contra "alunos" (sic), principalmente "aqueles" que participaram das invasões do ano passado!

Diante disso, achei melhor manter o blog reservado para publicar o mesmo tipo de texto que eu publico sempre e responder a ela no próprio ambiente com o qual ela parece estar mais à vontade, ambiente esse que, no Brasil e no mundo, tem se mostrado ideal para a propagação da mentira e da desinformação.

Quem quiser ler o que a professora escreveu sobre mim e a resposta que dei, é só clicar aqui.

terça-feira, 14 de março de 2017

Professora da UFPR defende ensino doutrinador, mas diz que doutrinação não existe

Na última sexta, aconteceu no Departamento de Geografia da UFPR um "debate-ação" (sic) com o tema A reforma do ensino médio na Geografia: enfrentando a desinformação e o descaso. Como é de praxe nos eventos de Geografia, os três debatedores convidados tinham as mesmas opiniões sobre o tema, informadas por teorias e ideologias de esquerda radicais. Então, só houve debate durante a sessão de perguntas que se seguiu às exposições porque eu participei do evento, visto que, a julgar pelas perguntas não dirigidas a mim, ninguém discordou de nada!


quinta-feira, 9 de março de 2017

Doutrinação: a escola serve para ensinar quais leis são "boas" e quais não são?

Quem pesquisa no Google a expressão "escola sem partido" vê logo de cara um link que é anúncio pago, possivelmente, por sindicatos de professores. Afinal de contas, o link remete a um texto totalmente contrário ao Projeto de Lei apelidado de "Escola Sem Partido". De outro lado, não há nenhum anúncio pago no Google para dar destaque aos textos favoráveis a esse PL ou, pelo menos, ao diagnóstico de que o problema da doutrinação no ensino existe, é grave e precisa ser enfrentado. Ainda assim, os sindicatos de professores sempre gostam de posar de vítimas do poder econômico...

Ironias à parte, o fato é que o artigo de Caio Zinet apresenta as refutações de especialistas em educação contra o site Escola Sem Partido e o PL citado. Neste post, vou tratar da primeira refutação, que é a seguinte:
Para o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito a Educação, Daniel Cara, a neutralidade absoluta é impossível de ser atingida. "Não é possível (ser neutro) porque qualquer tema que se aborde leva um juízo de valor do professor, o que é importante. O que ele não pode fazer é limitar a aula a seu juízo de valor. Determinar a neutralidade política numa lei é um equivoco absoluto", afirmou (Zinet, 2016).

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Supremo fez bem em determinar indenização de presidiários

Já escrevi um tanto contra esses intelectuais e jornalistas de esquerda que pensam no criminoso como uma vítima do capitalismo que deve ser poupada da cadeia tanto quanto possível. Mas isso não quer dizer que eu concordo com essa direita primitiva brasileira, que defende execução de criminosos e até se regozija em saber que nossos presídios são insalubres como calabouços e lugar de sevícias e torturas.

Mas não vou gastar tempo explicando a essa direita questões elementares de valor e de cidadania. Vou apenas explicar que a decisão do STF de indenizar os presos em condições degradantes foi a melhor dentre as alternativas possíveis, que eram três:

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Doutrinação: professor Luan Pablo Rosa usa argumentos desonestos ao tratar do tema

O professor Luan Pablo Rosa fala grosso e se faz de defensor intransigente da liberdade de ensinar quando quer atacar o Projeto de Lei "Escola Sem Partido", mas fica mansinho e se posiciona de forma ambígua e contraditória quando se trata dos piqueteiros da UFPR, universidade em que ele estuda. É uma clara demonstração de hipocrisia. Não bastasse isso, seus argumentos contra a minha fala na audiência pública da Câmara que tratou do PL citado são intelectualmente desonestos.

Para quem ainda não sabe, esse Projeto de Lei nasceu da preocupação de informar aos estudantes que o professor não tem o direito de se aproveitar de uma plateia cativa, que são seus alunos, para induzi-los a ter as mesmas ideias políticas do professor. Daí a proposta de elaborar uma lista de Deveres do Professor relacionados ao respeito pela liberdade de aprender dos estudantes. Ao participar da última audiência pública da Câmara que discutiu o tema, fiz uma exposição com o objetivo de demonstrar que o problema da doutrinação existe e é muito sério.